Blog do Eloi Zanetti – Consultoria, Palestras e Artigos de Marketing, Criatividade e Vendas

Blog do publicitário e escritor Eloi Zanetti. Consultoria, palestras, artigos e tudo o que você precisa saber sobre marketing e vendas. Curitiba – PR | Rua Senador Saraiva 78 | Telefone 3026-0222

  • RSS
  • Linkedin
  • Facebook
  • Twitter
  • E-mail

Archive for setembro, 2010

A idéia de pertencer a uma coletividade é tão antiga e óbvia que não nos damos conta da sua importância e passamos direto sobre o tema quando tratamos dos assuntos de gerenciamento da convivência, análise do clima organizacional e de estímulo aos colaboradores. Pertencer e se identificar com um grupo é tão necessário ao ser humano quanto para a maioria dos animais. É por isso que nos unimos e formamos  …




Foi um cliente, o Carlos Alberto Jayme da Cinq Tecnologies, que me recomendou o livro Pequenos Gigantes, de BoBurlinghan. Comecei a ler e me senti nos velhos tempos quando construíamos a empresa O Boticário, na década de 90. Que privilégio trabalhar lá, naquela época.







Gosto muito destas duas histórias – são de pessoas que souberam manter a fleuma ou a indignação “na hora da partida para o andar de cima.”







Os guarás, uma espécie de pássaro vermelho – uma Íbis – deu o nome das cidades de Guaraqueçaba e Guaratuba. Há muitos anos eles haviam sumido da região por causa da caça predatória, poluição, falta de alimento. Já havíamos pensado em fazer um trabalho de reintrodução da espécie no local, o que é muito difícil.







Em todo trabalho de web, vídeo, design, criação gráfica, logotipos ou propaganda, na hora dos orçamentos, sempre aparece alguém e diz a fatídica frase: – “eu tenho um sobrinho que faz mais barato.” A área da comunicação está infestada de sobrinhos carregados de boas intenções, que fazem trabalhos baratinhos, nada profissionais e que, na maioria das vezes, precisam ser refeitos por quem realmente entende do assunto.







“Prefiro alguém que me diga claramente o que tenho a fazer do que aquele que me dá sugestões indiretas, bem-educadas, mas que preciso adivinhar. São dois trabalhos: primeiro, descobrir o que a pessoa quer e depois, realizar o trabalho. Por isso, gosto de um comando direto, do tipo: ‘Mário, faça tal coisa! Mário vá para a direita! Mário, vire à esquerda!’ Eu gosto de que me mandem, prefiro isso a ouvir insinuações pouco eficientes”, comentou um amigo numa mesa de bar, causando surpresa geral. E olha que ele é um profissional bem-sucedido.







Uma das mais refinadas pesquisadoras do comportamento humano, minha amiga Nany BIlate, realiza o Projeto Mulheres. Quer ouvir suas histórias, via Rede Social e saber sobre as mudanças da contemporiedade. Coincidência ou não, ainda ontem a noite vi uma entrevista sobre o mesmo tema. O Daniel Filho sendo entrevistado pelo Roberto D`Ávila e falando do seriado Malu Mulher – 1978 – sobre a grande mudança da época – do pós  …




Com o encurtamento da noção de tempo sobre a maturação natural das coisas e dos saberes humanos, observo nas faculdades e nas empresas, jovens ansiosos a respeito das suas carreiras tentando freneticamente cortar caminho na escalada aos postos de diretoria. Pretensão justificada, mas inócua.







Vivemos mergulhados em histórias e nem nos damos conta disso. Há muito tempo pesquiso a força das histórias na construção e defesa de marcas. Tenho batido e rebatido este assunto em minhas palestras e em vários artigos.







A frase acima, extraida de um romance do escritor alemão Erich Maria Remarque, sucesso na década de 20, se tornou gíria popular no Brasil durante algum tempo para se referir a uma ausência total de ação, em alguma coisa. É assim que estamos em se tratando de campanhas eleitorais, nada de novo que valha a pena comentar.