Blog do Eloi Zanetti – Consultoria, Palestras e Artigos de Marketing, Criatividade e Vendas

Blog do publicitário e escritor Eloi Zanetti. Consultoria, palestras, artigos e tudo o que você precisa saber sobre marketing e vendas. Curitiba – PR | Rua Senador Saraiva 78 | Telefone 3026-0222

  • RSS
  • Linkedin
  • Facebook
  • Twitter
  • E-mail

Quando cuidava da comunicação do Bamerindus, vivia dizendo aos meus auxiliares: “É preciso mostrar que existe vida inteligente aqui na Rua Mauá” – endereço da agência. Era a minha maneira de estimular a equipe a pensar por conta própria e não me trazer problemas que eles próprios deveriam resolver. A fórmula se mostrou correta, os trabalhos realizados pela equipe repercutem até hoje. Mudei de empresa e carreguei o mesmo procedimento – “Precisamos provar que existe vida inteligente… blá, blá, blá.”

Esses dias, conversando com um empresário e sua diretora de RH, o assunto versou sobre recrutamento e seleção. Haviam chegado à seguinte conclusão: “Daqui para frente, só iremos contratar gente inteligente, do boy aos cargos de diretoria.” O empresário arrematou: “Não adianta o candidato chegar com muitos cursos, mestrado, pós-graduação e formação acadêmica no exterior que, se não for inteligente, não entra.” Lembrei que na mesma empresa, um ano antes, num workshop, havia percebido um funcionário humilde se destacar dos demais nos exercícios propostos. Perguntei a um diretor: “Quem era aquele?” – Resposta: “Um operário da linha de produção.” Rebati: “Fique de olho, esse cara é bom”.

Meses mais tarde fiquei sabendo que esse operário havia solicitado uma conversa com o presidente e apresentou várias ideias de como aumentar a eficiência do seu trabalho e setor. Falou gaguejando que não aguentava mais ouvir baboseiras sobre projetos que não terminavam nunca, da necessidade de  refazer trabalhos por causa de erros grosseiros e das tarefas sobrepostas por falta de comunicação. O presidente – homem inteligente – ouviu as ideias e mandou colocá-las em execução. Os resultados foram imediatos: melhorias substanciais nos procedimentos com economia de tempo e dinheiro. Promovido por mérito e, inteligente como é, este operário busca, hoje, compensar sua carência técnica estudando muito e fazendo todos os cursos de que precisa.

O que acontece nas empresas não é a falta de inteligência, mas a preguiça de pensar, somada ao fato de o funcionário não se esforçar para trazer para o ambiente empresarial toda a potencialidade que possui. O colaborador pode ser inteligente e criativo fora da empresa, mas na hora da troca “salário x capacidade criativa” fica no débito.

Muitas vezes a culpa é da própria empresa, que não favorece o livre pensar entre os funcionários e segue estritamente normas, procedimentos e manuais. Gente inteligente gosta de trabalhar com gente inteligente, um estimula o outro. Podem até ser altamente competitivos, mas irão vibrar quando as boas ideias aparecerem. É assim que se formaram as grandes equipes criativas, aquelas que mudaram o mundo. Um inteligente atrai outro, que atrai outro, que atrai outro. Quer melhor exemplo do que a turma do Steve Jobs? Faça como a Apple e como o meu cliente, pense diferente, contrate gente inteligente e estimule-os.

E já  que gostamos tanto de futebol observe os craques – nas jogadas decisivas, param por milésimos de segundo, pensam e só depois é que disparam seus passes ou chutam em direção ao gol. O que um time precisa é de jogadores pensadores e não de carregadores de bola

Você poderá gostar também de: