Blog do Eloi Zanetti – Consultoria, Palestras e Artigos de Marketing, Criatividade e Vendas

Blog do publicitário e escritor Eloi Zanetti. Consultoria, palestras, artigos e tudo o que você precisa saber sobre marketing e vendas. Curitiba – PR | Rua Senador Saraiva 78 | Telefone 3026-0222

  • RSS
  • Linkedin
  • Facebook
  • Twitter
  • E-mail

A propósito do evento gastronômico que acontecerá em Antonina neste final de semana – “Grandes chefes reunidos por uma grande causa” quando os bons nome da nossa gastronomia descerão a Serra e prepararão pratos nos restaurantes locais. (anúncio na Gazeta do Povo de hoje) – reproduzo artigo que fiz há muito tempo sobre A Caçarola do Joca – meu amigo que faleceu há algum tempo.

 

Estou no Restaurante do Joaquim Carlos Alcobas, o Joca, ou melhor, na Caçarola do Joca, em Antonina. Olho para os lados e vejo fotos, quadros, pinturas, bonecas, estátuas de buda, de galos portugueses, peixes em cerâmicas, gaiolas e tantas outras coisas. Tudo espalhado, pendurado pelas paredes, em prateleiras ou em cima dos móveis na mais arrumada desarrumação. Percebo que há ordem e harmonia neste caos, nesta bagunça criada através dos tempos por seu proprietário. E isto me dá um prazer estético, gosto do lugar, me sinto bem, me é familiar.

O Joca é um personagem quixotesco, alto, magro, com um cavanhaque ao estilo. Simpático por natureza, já está sendo citado por professores de administração como “aquele que sabe fazer o bom marketing de relacionamento”. E tal qual o Homem de La Mancha é um resistente na sua eterna busca. Um catador de histórias. Vê uma placa jogada num ferro velho, dá o seu devido valor sentimental e carrega para o seu restaurante. Junto traz uma boa história. Você não pode saber da história, pois ela pode ter-se perdido, mas está ali, latente no objeto catado. Que melhor lugar para se catar coisas do que no fundo de uma baía? – lugar onde o mar encosta o cisco. Pois, o restaurante do Joca fica no fundo do fundo da baía de Antonina, para onde os objetos são empurrados pelas marés depois de descartados.

É preciso saber muito para baralhar as coisas com perfeição. Só a um mestre é permitido o dedo da anarquia perfeita. Não tente você, se não souber como, desarrumar algo. Guimarães Rosa bagunçou o idioma. Picasso, antes de confundir a arte e fazer a sua revolução, foi um acadêmico comportado. O bom e velho Niemeyer continua ainda, com seus traços firmes, vigorosos e elegantes, a atropelar a arquitetura. Grandes estilistas anarquizam a moda de tempos em tempos. É preciso primeiro dominar a técnica para depois conquistar a arte. É preciso saber fazer super bem para depois desarrumar.

Voltando ao Joca, que distância entre o ambiente da sua Caçarola com os bares arrumadinhos e esteticamente ascéticos da moçada de hoje! Nada contra a nova arquitetura de interiores, com seus frisos de aço, néon, banquetas desconfortáveis, cenários e adereços comprados em lojas especializadas. Mas há cardápios artisticamente impecáveis na arte gráfica e falsos no sabor e na qualidade. Visuais perfeitos e limpos, mas com serviços beirando o desleixo e o descaso. Investe-se muito na estética e pouco no treinamento de pessoal.

Dizem que se perde clientes na ordem de 68% por mau atendimento. Muitos restaurantes e donos de bares da moda pecam feio no detalhe mais simples: o sagrado ato de servir. Talvez eu esteja ficando velho, mas não me entusiasmo pelo estilo yupiie ou mauricinho, prefiro a estética da simplicidade. A escola de arquitetura alemã dos anos 20 e o zen nos ensinam que menos é mais.

Já vi bares e restaurantes como o do Joca em outros lugares. Todos têm a mesma medida: sabem ser populares sem ser popularescos, caminham pelo ingênuo sem serem kitschs.

Lá no Joca tem até um passarinho de verdade, acho que um cambucica, que voa por entre as mesas com a maior desenvoltura. Se ele soubesse falar, como nos contos mágicos, estaria dizendo para os clientes: – Venham sempre aqui! O Joca é um bom sujeito, a comida é boa, o pessoal atende bem e a gente sabe contar histórias, estão todas nas paredes da casa.

É só o que Antonina, a cidade que abriga o Joca e seu restaurante há mais de 30 anos, precisa fazer para atrair turistas: saber contar suas centenas de histórias. Elas estão todas guardadas nos casarões coloniais, nas esquinas e nos ciscos trazidos para o fundo da sua baía maravilhosa.

 

Você poderá gostar também de:

  • marcelo carvalho

    MARAVILHOSO , parece uma poesia.