Blog do Eloi Zanetti – Consultoria, Palestras e Artigos de Marketing, Criatividade e Vendas

Blog do publicitário e escritor Eloi Zanetti. Consultoria, palestras, artigos e tudo o que você precisa saber sobre marketing e vendas. Curitiba – PR | Rua Senador Saraiva 78 | Telefone 3026-0222

  • RSS
  • Linkedin
  • Facebook
  • Twitter
  • E-mail

Em 1983, o jornalista Reynaldo Jardim publicou na Folha de São Paulo um artigo com o título “Uma cidade contra sua vocação”. Falava sobre a timidez congênita do curitibano e a sua incapacidade de acompanhar a criatividade urbana que se iniciava na obra de Jaime Lerner. Escrevia ele: “uma cidade composta por seres soturnos, insulados em seus casulos egocêntricos, […] cercada de montanhas com uma nuvem cinzenta pairando sobre a cabeça de uma burguesia que se acomoda e não se incomoda a não ser com seus próprios umbigos.” Há três anos, pouco antes da sua morte, conversei com ele sobre o que escrevera e ele me disse: “Elói, esqueça, era outro contexto.” Jardim, não dá para esquecer, você acertou na mosca, nossa cidade era assim mesmo e por causa disso perdemos um tempo precioso. A criatividade gerada nas pranchetas dos arquitetos e urbanistas do competente Ippuc da época não foi acompanhada por contrapartidas e esforços da população, artistas e produtores culturais. No livro “A ascensão da classe criativa”, Richard Florida, um estudioso do assunto, fala: “As tendências criativas geográficas não favorecem as comunidades à moda antiga.”

Éramos conservadores, tímidos, desconfiados e profundamente arraigados às nossas origens imigrantes. Nossos antepassados vieram para fazer a América e não para fazer cultura. Somos bons instrumentistas e nada compositores, bons protagonistas no palco, mas não autores. Bons editores gráficos, mas poucos escrevinhadores. Comportamentos que não nos deixaram aproveitar o movimento gerado pelas mudanças estruturais e inovadoras pelas quais a cidade passou – na época, exemplos para o mundo. E, mesmo provocado pela criação de vários estímulos como a construção de teatros, museus, praças e espaços para produção, o curitibano demorou muito para se mexer. Continuamos como sempre fomos: importadores e não produtores de cultura. Grupos de outros estados fizeram a festa em nossos espaços porque a parca criação local foi tímida e sem maiores ousadias. No ranking da economia e da criatividade brasileira, ocupamos o quinto lugar em desenvolvimento econômico e o modesto décimo segundo em criatividade.

Os tempos mudaram e hoje se percebe que há algo de novo no ar, os filhos e netos dos “soturnos e insulados curitibanos”, como o Jardim nos alcunhara, miscigenados com os neo-curitibanos, aparecem como a segunda oportunidade para a nossa cidade. São jovens com espírito e experiência cosmopolita, insatisfeitos e transformadores. Não dão a mínima para suas ascendências e raízes e se esforçam para colocar para fora suas ideias criativas, realizando negócios inovadores em novos formatos cooperativos como os grupos Aldeia Coworking e HUB. Encontram-se em redes sociais e criam movimentos como o Réveillon fora de época na praça da Espanha e o carnaval antecipado dos Garibaldis e Sacis, e reúnem-se em eventos comunitários, só deles, como o Pecha Kucha, uma espécie de contação de experiências e realizações, onde desfilam suas façanhas criativas para centenas de outros igualmente imantados pela avidez da criatividade, da inovação e da ação.

Na área musical, a cidade desponta talentos de todos os gêneros, inclusive com um pessoal pesquisando sério a música de raiz.  É notória a competência destes jovens nas expertises da tecnologia, dos games eletrônicos e dos serviços de TI. Vez por outra, ouvimos falar de tribos como os geeks, os novos nerds e outras cujo nome sequer sabemos pronunciar. Movimentos subterrâneos em verdadeira revolução silenciosa começam a sacudir a taciturna Curitiba. Cabe a nós, mais velhos, identificar e apoiar. Se deixarmos escapar esta segunda chance talvez não exista outra tão cedo e enterraremos de vez a promessa daquilo que deveríamos ser e não fomos. E viveremos até o final dos nossos dias em uma nostálgica e melancólica lembrança de “ter vivido uma era perdida.”

Estação tubo em Curitiba - Foto: Ruy R. Prado

Estação tubo em Curitiba. Foto: Ruy R. Prado

Você poderá gostar também de:

  • Fabulosas palavras! Texto notório e perfeito, filho e neto de curitibanos, sou o único catarinense da família e ouço hoje meus pais dizerem: “éramos assim?” Quando cruzam com algum curitibano ainda tímido e levemente grosseiro, aqueles que deram origem ao nome curitiboca. Mas Curitiba demonstra-se grande e livre, aberta ao novo e com certeza dessa vez terá seus frutos colhidos.

  • Muito bem estruturado seu texto sobre a cidade conheço pouco,as cidades são eternas e tem suas chances 2 , 3 e infinitas vezes de mudanças e assim acertos.Nos homens é que temos poucas chances e as vezes uma única oportunidade.

  • Fernando Fabian

    Boa tradução da alma de Curitiba no passado e presente !

  • Marcos H. Camargo

    Caro Eloi:
    Sempre antenado no hoje, aqui e agora, sem perder o pé da história. Concordo plenamente com suas palavras. Chegou a hora do curitibano acordar para uma outra realidade. Já construímos a cidade que viemos fazer, agora é preciso preenchê-la com alma, caráter e identidade.

  • Alexandre Fabian

    Caro Eloi,

    Passei aqui recomendado pelo Fernando e gostei bastante do texto.
    Avise quando passar por Londrina.
    abraçao,

    Alexandre

  • Pingback: A economia criativa de Curitiba transpira em seus hostels | Pra Ver Em Londres()

  • Boa novidade!