Blog do Eloi Zanetti – Consultoria, Palestras e Artigos de Marketing, Criatividade e Vendas

Blog do publicitário e escritor Eloi Zanetti. Consultoria, palestras, artigos e tudo o que você precisa saber sobre marketing e vendas. Curitiba – PR | Rua Senador Saraiva 78 | Telefone 3026-0222

  • RSS
  • Linkedin
  • Facebook
  • Twitter
  • E-mail

Archive for the ‘Crônicas’ Category

Ao acompanhar palestras e debates em um congresso de representantes comerciais, percebi que em geral as pessoas já sabem o que tem que ser feito. O que elas precisam, de fato, é que suas lideranças lhes ensinem a prática do “como fazer”. Nos últimos tempos, as empresas se preocuparam, sistematicamente, em tentar de forma quase inútil, mudar o comportamento dos seus colaboradores, quando o melhor e o mais prático seria  …




Há tempos observo suas asas elegantes cruzando os céus da cidade, tão logo os raios de sol começam a esquentar o ar nas primeiras horas da manhã. São as garças do Passeio Público que, em voos solitários, em duplas ou em pequenos grupos, dirigem-se aos seus campos de caça: os parques do Iguaçu, Barigui, São Lourenço, Bacacheri e Santa Cândida, sendo que algumas chegam até a Represa do Passaúna. É  …




Ao observar o comportamento dos nossos patrícios, percebemos que mineiro é mineiro, gaúcho é gaúcho, paulista é paulista, carioca é carioca e cearense é cearense. Prestando mais atenção notamos que em muitos estados há denominações específicas: barrigas-verdes, fluminenses, capixabas, potiguares, etc. E nós, paranaenses, quem somos? Com que nome deveríamos ser chamados?







Estava no aeroporto a espera de minha mulher que chegaria num vôo  – já atrasado. Localizei o portão de saída e me postei escolhendo um canto de onde podia enxergar melhor a chegada dos passageiros. Logo, os movimentos nervosos de uma senhora me chamaram a atenção. Era uma mulher simples, aparentando uns 40 anos,vestida como se houvesse se preparado para uma festa, para algo importante. Mostrava-se agitada, preocupada e portava um  …




A magia do ato de se contar uma história não se resume à história contada, mas ao próprio ato. É o momento em que a imaginação de quem ouve – em geral o seu filho – encontra na história algumas das milhares de informações que a humanidade traz desde o seu aparecimento. Uma história banal de Joãzinho e Maria carrega uma sabedoria de milênios e já navegou por todos os povos da Terra. Por isso, por mais cansado que você esteja após um dia de trabalho, conte uma história para o seu filho. Se não puder inventar, leia. Mas não deixe de fazer isso, nunca.







Assisti a um bom tempo atrás a uma pesquisa sobre o mercado popular brasileiro. Uma ampla fotografia sobre a vida na periferia das nossas cidades. Desde o Plano Real o poder de consumo do pobre mudou. O mercado popular cresceu, e muito, e quem percebeu está correndo para acompanhá-lo. Nossas agencias se preparam para falar com este novo consumidor que somam 120 milhões de pessoas. Olhando a pesquisa, um recado  …




Trabalhar em marketing é manter constante atenção com as transformações do mercado, exercendo um olhar acurado sobre o comportamento das pessoas. Uma dessas mudanças mais curiosas, dos últimos tempos, foi o surgimento do interesse, principalmente por parte dos homens, pelos assuntos da arte da culinária.







Perto da minha casa, no tempo em que morei no Pilarzinho, havia uma pequena padaria de esquina. O dono, um simpático senhor de meia-idade, soube criar um ambiente familiar aconchegante e fez do seu estabelecimento o ponto de encontro ideal dos madrugadores.







Na década de 70, 30% da população brasileira moravam nas cidades e 70% nas zonas rurais. Hoje, 76% vivem nas cidades e 24% no campo. Essa rápida movimentação provocou nas pessoas que trocaram a vida do campo pela cidade uma crise de sentimentos. Em novo ambiente, longe das suas referências campestres, a nostalgia veio e se instalou no coração dos nossos pais e avós. Nostalgia quer dizer “dor da ausência  …




Preste atenção nos novos desenhos animados. Aliás, nem sei mais se ainda podemos chamá-los de desenhos animados, de tão cheios de tecnologia e atores reais que estão. Vale a pena assistir a eles, curtir e assistir novamente dezenas de vezes, mesmo que não se tenham filhos pequenos ou netos para fazer companhia. Histórias consagradas estão sendo desconstruídas e cedendo lugar a uma rápida modernização de temas…